Redes Farmavale, Mais Farma e Pratika passam a fazer parte da Farmarcas

No mês de março deste ano três novas redes aderiram à administradora de redes de farmácias Farmarcas, essas são Farmavale (30 lojas), Rede Mais Farma (26 lojas) e Rede Pratika (16 lojas).

Com essas adesões, as redes passam a contar com o auxílio de toda a estrutura idealizada pela Farmarcas para otimizar os resultados. Mas, as lojas precisarão passar a cumprir as rigorosas regras estabelecidas.

Nessa adesão a Farmavale e a Rede Mais Farma passarão a utilizar o processo de gestão e padronização que a operadora estabelece. Já as lojas da Rede Prática serão convertidas para Bigfort, outra bandeira da administradora.

“A Farmarcas utiliza dois caminhos para seu crescimento: um são aberturas de lojas novas, o outro são adesões ao modelo de lojas ou redes já existentes. Porém, nos dois casos somos muito rígidos na adequação das lojas aos nossos padrões, que vão desde a layoutização até a obrigatoriedade da utilização de ferramentas de gestão e fornecimento de informações”, explica o presidente da Farmarcas, Edison Tamascia.

Assim, essas redes, que já possuíam modelo associativista, terão que adequar seus trabalhos às práticas da Farmarcas. “Hoje temos uma grande procura por nosso modelo, mas são poucos os que realmente se enquadram às exigências. Precisamos da certeza do comprometimento dos interessados, para que isso não prejudique nossa padronização de trabalho”, complementa Ângelo Vieira, diretor operacional.

A adesão dessas lojas foi potencializado pelos ótimos resultados que as lojas que aderiram ao modelo Farmarcas estão obtendo. O faturamento das lojas das redes administradas em 2018 superou as projeções e atingiu o impressionante valor de R$2.010.664.081,82. Para atingir essa meta, o valor apresentou o expressivo crescimento de 45,13% em comparação ao ano anterior.

Nesse mesmo período o mercado farmacêutico brasileiro cresceu 12,00%, faturando R$ 111.761.291.532,82. Com isso a Farmarcas ganhou grande representatividade no mercado, passando a responder por 1,96% do faturamento nacional das farmácias, enquanto em 2017 sua participação era 1,52%. Mostrando assim o poder existente em uma gestão competente e na padronização de trabalhos.