Indústrias farmacêuticas da América Latina estão de olho no mercado de MIPs

Da Redação
O mercado dos medicamentos que não exigem prescrição médica é o novo alvo de crescimento das farmacêuticas na América Latina, e o Brasil tem concentrado as estratégias destas empresas na região. Movimentando cerca de R$ 14 bilhões no país, as vendas do segmento, também conhecido como MIPs (ou OTC, na sigla em inglês), nas farmácias cresceu 20% nos doze meses até fevereiro, segundo dados da consultoria especializada IMS Health.

Dominado pelos antigripais, analgésicos, multivitamínicos, este mercado se consolida e tem se voltado para fusões e aquisições, com as companhias buscando formas de aproveitar seu potencial de crescimento. “As farmacêuticas estão querendo ampliar sua presença em medicamentos isentos de prescrição, pois o segmento está em uma fase em que cresce o tamanho da \’pizza\’: não somente as empresas roubam espaço umas das outras, mas o setor avança como um todo”, afirmou Laís Gouveia Rosin, diretora da unidade de negócios MIPs da japonesa Takeda.

Na América Latina, os medicamentos isentos de prescrição movimentam R$ 27 bilhões e têm alavancado o crescimento de seis das dez maiores empresas da indústria farmacêutica atuantes na região. Na Sanofi, EMS, Pfizer, Bayer, MSD e Roemmers, os MIPs crescem mais do que o de medicamentos de referência – que exigem prescrição médica do consumidor na hora da compra na farmácia. O aumento da renda da população e o maior conhecimento sobre os produtos são fatores que impulsionam estes números.

Na região, o Brasil se destaca não somente por já representar quase metade de todas as vendas da América Latina, mas pelo potencial de crescimento. A Associação Brasileira da Indústria de Medicamentos Isentos de Prescrição (Abimip) estima alta de 12% para o segmento neste ano.
TAKEDA

Dos dez medicamentos líderes em vendas do mercado brasileiro, quatro são isentos de prescrição. Duas marcas do ranking são da Takeda. O analgésico Neosaldina está classificado como o sexto remédio mais vendido do país, enquanto o antigripal Multigrip – fruto da aquisição do laboratório nacional Multilab em 2012 – está na nona colocação no ranking da IMS.

A unidade de MIPs da Takeda hoje representa 40% do faturamento da empresa no país. “O Brasil é o número um da companhia em MIPs, uma referência para as operações globais”, explicou Laís. A área registrou R$ 812 milhões em faturamento em 2013, e hoje tem 51 produtos no portfólio.

Além do Neosaldina e Multigrip, a empresa está investindo na promoção do Eparema (contra má digestão) e do Nebacetin (pomada contra infecções na pele), que compõem as quatro principais marcas do grupo no país. Segundo Laís, a meta do laboratório agora é trazer lançamentos para o mercado brasileiro e reforçar a marca Multigrip no Sudeste, onde o medicamento tem menor penetração, quando comparada com a das regiões sul e nordeste.
SANOFI

Na mesma linha, para crescer neste mercado, a Sanofi estabeleceu a meta de lançar dez produtos ou novas apresentações de medicamentos por ano. Com participação de 9% no mercado brasileiro de medicamentos isentos de prescrição, a multinacional francesa tem 18 marcas no segmento. O Dorflex – contra dores musculares – é o medicamento mais vendido no país.

Com outras marcas consolidadas, como o analgésico Novalgina, o desafio da empresa agora é se expandir para áreas em que ainda não está presente, como os antigripais e as vitaminas e suplementos. “Temos sucesso no crescimento orgânico, que é nossa prioridade, mas olhamos de maneira seletiva possíveis aquisições”, afirmou Fábio Barone, diretor da unidade de saúde do consumidor da Sanofi. “MIPs é um dos principais pilares de crescimento da empresa, e o Brasil é o mercado mais importante da América Latina”, afirmou.

Muito dependente do conhecimento da marca, o setor exige das empresas investimentos na exposição dos produtos nas farmácias e na divulgação com médicos. Diante dos números positivos, fusões e aquisições também têm ficado no radar das farmacêuticas nos últimos anos.

A alemã Boehringer Ingelheim afirmou recentemente estar em busca de aquisições no Brasil para diversificar seu portfólio. No ano passado, a Reckitt Benckiser fechou acordo com a farmacêutica Bristol-Myers Squibb na América Latina e assumiu as vendas do antigripal Naldecon, da pomada para assaduras Dermodex e do antigases Luftal no mercado brasileiro.

Há ainda informações de que o laboratório gaúcho Kley Hertz, fabricante do antigripal Resfenol, está se preparando para um processo de venda. “Este mercado é pulverizado. Fusões e aquisições fazem parte deste ambiente competitivo”, afirmou Marli Martins Sileci, vice-presidente executiva Abimip. Atualmente, o Brasil tem cerca de 200 empresas atuando em medicamentos isentos de prescrição.
Fonte: Valor Econômico



7 Comentários

  • Fantastic items from you, man. I have take into accout your stuff prior
    to and you are just too magnificent. I really like what you’ve acquired right here, certainly like what you are saying and the way
    in which you are saying it. You make it enjoyable and you
    still care for to keep it wise. I can’t wait to learn much more from you.
    That is really a terrific web site.

  • What a information off un-ambiguity and preserveness of precious experience onn the topic of unexpected emotions.

  • I have read so many content on the topic of the blogger lovers except
    this article is genuinely a good paragraph, keep it up.

  • I think that everything wrote was very logical. But, think on this, suppose you added a little content?
    I ain’t saying your information isn’t solid, but suppose you added something that makes people desire more?
    I mean Indústrias farmacêuticas da América Latina estão de olho no mercado de MIPs – Febrafar is kinda vanilla.
    You could peek at Yahoo’s home page and note how they create post titles to grab viewers interested.
    You might try adding a video orr a picture or two to grab readeers excited about everything’ve got to say.
    Just my opinion, iit would makme your posts a little livelier.

  • Fantaastic web site. A lot of helpful info here. I’m sending iit to a few friends ans additionally sharing in delicious.
    And naturally, thanks to your effort!

  • Hey there excellent blog! Dooes running a blog such
    as this require a great deal off work? I’ve no understanding of coding butt I had been hoping to start
    my own blog in the near future. Anyway, if you have any suggestions or techniques for nnew blog owners
    please share. I know this is off subject however
    I simply had to ask. Many thanks!

  • Spot oon with this write-up, I seriously believe this web
    site needs far more attention. I’ll probably be back again too read more, thanks for the information!

Deixe uma resposta