Indústrias farmacêuticas buscam lucro em drogas para doenças raras

Da Redação

Doenças raras sempre foram deixadas em segundo plano pelas farmacêuticas, que queriam remédios que pudessem ser vendidos para milhões de doentes. Hoje, porém, enfermidades que afligem um número muito menor de pessoas despertam um interesse cada vez maior no setor.

Um remédio da Sanofi SA tornou-se recentemente o segundo tratamento em dois meses a ser aprovado contra uma desordem hereditária dos níveis de colesterol que geralmente é fatal. O remédio injetável, chamado Kynamro, vai agora concorrer com o Juxtapid – uma pílula da Aegerion Pharmaceuticals Inc. que recebeu luz verde dos reguladores no mês passado – no tratamento de uma doença que afeta só alguns milhares de pessoas nos Estados Unidos. A Pfizer Inc. e a GlaxoSmithKline PLC, por sua vez, são algumas das empresas que têm pesquisado tratamentos para a distrofia muscular de Duchenne, uma doença hereditária que afeta um em cada 3.600 bebês do sexo masculino. Já a Shire PLC e a BioMarin Pharmaceutical Inc. estão procurando remédios para uma desordem metabólica rara chamada síndrome de Sanfilippo, que atinge um em cada 70.000 recém-nascidos.

Essa disputa no tratamento de doenças raras ressalta como mudanças na dinâmica comercial e uma compreensão maior das origens moleculares das doenças estão levando a indústria farmacêutica para novos caminhos. Os incentivos da FDA, a agência americana que regula alimentos e remédios, para o desenvolvimento das chamadas “orphan drugs” – ou drogas órfãs – podem significar aprovações mais rápidas, benefícios fiscais para as farmacêuticas e uma proteção de sete anos contra concorrência depois da aprovação (as drogas convencionais geralmente recebem cinco anos).

As grandes farmacêuticas haviam “pensado que as drogas órfãs eram coisas minúsculas que não mereciam atenção”, diz Angus Russell, diretor-presidente da Shire, que fabrica alguns dos remédios mais vendidos contra desordens raras de enzimas. As grandes farmacêuticas viram a Shire e outras firmas “desenvolverem drogas que acabaram” gerando receitas de centenas de milhões, se não bilhões, de dólares e logo foram atrás, diz ele. É verdade que um preço anual de seis dígitos para cada paciente põe em dúvida a capacidade das farmacêuticas de sustentar seus custos diante do esforço crescente das pessoas em controlar seus gastos com saúde. A concorrência pode também baixar os preços. O Kynamro, o remédio contra o colesterol, será vendido a um preço menor que seu concorrente Juxtapid. Mas o Kynamro ainda assim custará ao doente US$ 176.000 por ano, segundo a Genzyme, a unidade da Sanofi que desenvolveu a droga com a Isis Pharmaceuticals Inc. Um ano de tratamento com o Juxtapid custa de US$ 235.000 a US$ 295.000, dependendo do estágio do tratamento, diz Marc Beer, diretor-presidente da Aegerion.

Quando o congresso americano criou o termo “droga órfã”, em 1983, as farmacêuticas trabalhavam em um novo remédio do tipo a cada ano, segundo a FDA. Agora, a agência afirma que quase 200 drogas órfãs começam a ser desenvolvidas todo ano e cerca de um terço dos remédios que ela aprova são para doenças raras.

Francois Nader, diretor-presidente da NPS Pharmaceuticals Inc., que no fim de 2012 teve um remédio para uma doença rara do intestino aprovado pela FDA, diz que mudanças na ciência e na economia viabilizaram esse mercado. Os pesquisadores de drogas podem identificar com antecedência “os pacientes que se beneficiariam de um certo remédio, em vez de usar o modelo de um remédio para todo mundo como no passado”, diz ele. O remédio da NPS para o intestino, o Gattex, custou US$ 250 milhões para ser desenvolvido. O valor é bem inferior ao US$ 1 bilhão ou mais que poderia custar para lançar uma droga de uso mais amplo, em parte porque os testes clínicos requeridos precisaram de bem menos pacientes e foram mais rápidos, diz Nader. O Gattex custa US$ 295.000 por ano para o doente.

Graças a esses preços altos, quase um terço das drogas órfãs somam mais de US$ 1 bilhão em vendas anuais, segundo uma amostra examinada pela Thomson Reuters. A categoria gera mais de US$ 50 bilhões em receitas no mundo todo e teve um crescimento anual de mais de 20% nos últimos anos. Até agora, os planos de saúde privados e os governos têm aceitado pagar por esses remédios caros. As doenças são tão raras que cada plano pode ter que pagar por apenas um paciente. Além disso, os tratamentos são geralmente uma questão de vida ou morte e assim fica difícil para as administradoras dos planos recusá-los. “No futuro, haverá mais pressão sobre os preços” à medida que essas caras drogas órfãs se proliferarem, diz Rhonda Greenapple, fundadora da Reimbursement Intelligence, uma firma de pesquisa de mercado do setor farmacêutico que monitora planos de saúde. “Mas, no momento, [os planos] não podem fazer quase nada” para limitar o acesso.

No caso da doença rara do colesterol, conhecida como hipercolesterolemia familiar homozigótica, os recém-aprovados remédios Kynamro e Juxtapid “vão suprir uma necessidade muito grande”, diz Steven Jones, diretor de cardiologia do Hospital americano Johns Hopkins. Pacientes com a doença têm um defeito nos genes que ajudam o corpo a eliminar o colesterol ruim, ou LDL, da circulação sanguínea. Como resultado, mesmo crianças podem ficar com níveis de colesterol de até 400 miligramas ou mais por decilitro de sangue – três ou quatro vezes o nível recomendado. A desordem pode causar ataques cardíacos, derrames e a morte, geralmente antes dos 30 anos.

Christian Jacobs, de 21 anos, que frequenta uma escola técnica em Ohio, foi diagnosticado quando tinha dois anos com um nível de colesterol LDL de 957 miligramas por decilitro. Ele toma seis remédios para o colesterol, tem stents (pequenos tubos) desbloqueando sete artérias e se submete a uma sessão de filtragem de colesterol a cada duas semanas, mas seu colesterol permanece acima de 500. Jacobs diz que o Kynamro baixou seu colesterol para 250 num teste clínico e que o plano de saúde de sua família aprovou o reembolso do tratamento com o Juxtapid, que ele deve começar logo. Se um remédio “não funcionar, eu tenho o outro”, diz ele.

Fonte: Valor Econômico



20 Comentários

  • Howdy, i rsad your blog occasionally and i own a similar onne and
    i was juyst curious if you get a lot of spam feedback?
    If so how do you protect against it, any plugin oor anything you
    can suggest? I get so much lately it’s driving me crazy so anny support
    is very much appreciated.

  • Fantastic post however I was wanting to know if you could write
    a litte more on this subject? I’d be very thankful if you could elaborate
    a little bit further. Thank you!

  • Amazikng blog! Do you have aany hints for aspiring writers?
    I’m hoping to start my own blog soon but I’m a
    little lost on everything. Would yyou ecommend starting with a free platform like WordPress or go for a paid option? There
    are so many options out there that I’m completely
    confused .. Any recommendations? Cheers!

  • I’m truly enjoying the design and layout of yyour website.It’s a
    very easy on the eyes which makes it much more pleadant for mee to
    come here and visit more often. Did yyou hire out a designer to create your theme?
    Superb work!

  • Why viewers still use too read newes papers wen in this technological
    globe alll is available on net?

  • What’s up mates, its greaat article concerning educationand fully explained, keep it up all the time.

  • Thiss web site crtainly has all of the information I needed about this
    subject and didn’t know who to ask.

  • Fantastic items from you, man. I have be mindful yoour stuff precious to and you are just too
    wonderful. I actually like what you have got here,
    certainly like what you’re saying and the way in which by which you are saying it.
    You are making it entertaining and you still take cqre of to stay it smart.
    I can not wait to learn muc more from you. That is actually a wonderful site.

  • I was wondering if you ever considered changing the page layout of
    your site? Its very well written; I love what youve got to say.

    But maybe yoou could a little more in tthe way of content so people
    could connect with it better. Youve got an awful lot of text for
    only having 1 or two pictures. Maybe you could space it out better?

  • Amazing! Its actually amazing article, I have
    got much clear idea concerning from this article.

  • If some one wishes to bbe updated with newest technologies threfore
    he must be pay a visit this web site and be up to date daily.

  • I do trust all the concepts you have presented too your post.
    They aare very convincing and can definitely work.
    Still, the posts are very quick for newbies. May just you please
    prolong them a bit from subsequnt time? Thank you for the post.

  • Whatt you said made a bunch of sense. But, think on this,
    suppose you composed a catchier title? I mean, Idon’t want to
    tell you hoow to run your blog, but suppose you added a title thhat grabbed people’s attention? I mean Indústrias farmacêuticas buscam lucro eem droogas para doenças raras – Febrafar is
    a little plain.You ought to peek at Yahoo’s front page and note how they write post headlines to grab
    people interested. You might add a video or a picture
    or two to get readers interested about what you’ve written. In my
    opinion, it might make your posts a little bit more interesting.

  • There is certainly a lot to find out about this topic.

    I really lik all the points you made.

  • You need to bee a part of a contest for onee of the best logs on the internet.
    I most certainly will recommend this website!

  • What i don’t understood is in truth how you are now not really much more well-favored than you
    might bee now. You are very intelligent. You understand thus significantly
    relating to this topic, made me individually believe it from a loot
    of numerous angles. Its like men and woomen aren’t involved untiil
    it is one thing to accomplish with Girl gaga! Your own stuffs great.
    All the time maintain it up!

  • I do not knoww iff it’s just me or if everyone else experiencing problems with your blog.
    It appears as if some of tthe written text in your content are running off the screen. Can somebody else
    please provide feedback and let me know if this iss happening to thdm too?
    This might be a problem with my internet browser because I’ve had this happen previously.
    Thanks

  • Nicce post. I was checking constantly this blog and I’m impressed!
    Very useful info particularly the last part 🙂 I care for
    such info much. I was looking for this particular info for
    a very long time. Thank you and best of luck.

  • If some one desires to be updated with latest technologies then he mst be visit this website and be up to date all
    the time.

Deixe uma resposta