Farmacêutica Mundipharma aposta alto e desembarca no Brasil

Da Redação

A farmacêutica Mundipharma, especializada em desenvolver medicamentos que aliviam a dor causada pelo câncer e outras enfermidades, inaugurou na última quinta (27) o primeiro escritório no Brasil, mais precisamente em São Paulo. A companhia já chega com uma estrutura de 100 funcionários, sendo 80 deles voltados para a força de vendas, comandada pelo gerente geral, Amaury Guerrero.

O analgésico Oxycontin, por enquanto, é o único produto que está em circulação no Brasil, por meio de distribuidores, mas a companhia planeja lançar entre 15 a 17 drogas em cinco anos. Os primeiros serão direcionados para completar o portfólio de gerenciamento da dor, core business da empresa no mundo.

De acordo com o último estudo da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (SBED), a dor crônica afeta em média 40% dos brasileiros, um número que varia de acordo com cada região do País. A dor crônica afeta de 20% a 30% da população mundial.

Oncologia, doenças respiratórias, artrite e OTC serão outros nichos de atuação da multinacional, que fatura aproximadamente US$ 4,5 bilhões e é composta por companhias associadas independentes espalhadas pelos Estados Unidos, Europa, Ásia e, agora, na América Latina (AL). Além do Brasil, considerado o “hub” para a AL, Colômbia e México também já estão prontos para operar.

De acordo o diretor da Mundipharma para Ásia-Pacífico, Oriente Médio, Norte da África e América Latina, Raman Singh, a estrutura organizada em associadas gera flexibilidade de atuar localmente, sem deixar de pensar globalmente. “Todas as estratégias e pesquisas são globais, mas o modelo de negócio é estruturado de acordo com as necessidades dos pacientes de cada região”, diz.

Com menos de 5% das vendas globais, a Mundipharma chega na AL para mudar este cenário e atingir cerca de 30% em cinco anos. Para isso, a estratégia é não mais trabalhar com distribuidores para comercializar por meio de unidades próprias. Argentina, Venezuela e Chile são os próximos países no radar da farmacêutica.

O gerente do Brasil, Amaury Guerrero, admite estar prospectando aquisições e alianças com outros laboratórios para a comercialização de produtos. Além disso, a companhia não descarta a possibilidade de fabricar no Brasil.

Um laboratório de controle de qualidade em São Paulo é outra novidade em andamento, previsto para ser inaugurado no ano que vem. Para manter um forte pipeline, a Mundipharma investe atualmente 14% do seu faturamento global em Pesquisa & Desenvolvimento (P&D). Os centros de pesquisa estão localizados nos Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha.

Para mais informações, acesse o site www.mundipharma.com.br

Fontes: Folha de S. Paulo e Saúde Web



1 comentário

  • Jefferson Kernen

    Can IMay I justsimplysimply just say what a reliefcomfort to findto discoverto uncover someone whosomebody thatsomebody whoa person thatan individual whosomeone that actuallyreallytrulygenuinely knowsunderstands what they’rewhat they are talking aboutdiscussing on the interneton the webon the netonlineover the internet. You definitelyYou certainlyYou actually know how tounderstand how torealize how to bring an issuea problem to light and make it important. More peopleMore and more peopleA lot more people need tohave tomustshouldought toreally need to read thislook at thischeck this out and understand this side of theof your story. I can’t believeIt’s surprisingI was surprised thatI was surprised you’re notyou aren’tyou are not more popular because yousince yougiven that you definitelycertainlysurelymost certainly have thepossess the gift.

Deixe uma resposta