Dymista® inova no tratamento de rinite alérgica

A rinite alérgica é um problema enfrentado por grande parte da população, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), no Brasil, cerca de 30% da população possui alguma forma de rinite alérgica1.

A busca pelo alívio dos sintomas é o maior objetivo das pessoas que têm rinite alérgica2, lembrando que tanto a rinite alérgica intermitente quanto a persistente (crônica) se caracterizam por reações alérgicas contra substâncias externas, chamadas alérgenos, tais como pólen (febre do feno), ácaros de poeira doméstica, mofo ou pelos de animais domésticos.

Para auxiliar nas possibilidades de tratamento da rinite alérgica o Laboratório Mylan lançou um importante aliado no combate desta doença: o Dymista® . Este medicamento representa uma importante inovação para o tratamento e controle de pacientes diagnosticados com rinite alérgica e é composto pela associação de duas moléculas (cloridrato de azelastina e propionato de fluticasona) em um único dispositivo em forma de Spray Nasal3.

“O diferencial de Dymista® é a associação de dois medicamentos em um único dispositivo para spray nasal, que antes eram utilizados isoladamente. Dymista® comprovou, por meio de estudos clínicos de qualidade que formam o maior conjunto de evidências clínicas em rinite alérgica hoje disponível, eficácia significativamente superior aos tratamentos isolados de propionato de fluticasona e cloridrato de azelastina4 , com maior rapidez de início de ação, a partir de 5 minutos“5, explica o Dr. Fabio Rosito, Consultor Médico do Laboratório Mylan.

Dymista® ratificou sua eficácia e rapidez de ação em estudos realizados em modelo Vida Real, que simulam as condições de uso pelo médico na sua prática diária6. “Dymista está sendo apresentado aos médicos para que possam conhecê-lo melhor e desta forma prescrevê-lo com segurança para adultos e crianças acima de 6 anos e assim contribuir para o tratamento medicamentoso ao oferecer aos pacientes uma opção que proporciona alivio rápido e substancial dos sintomas nasais e oculares além de melhora na qualidade de vida”7, complementa o Dr. Fabio Rosito, reforçando que o tratamento só pode ser feito a partir de avaliação e acompanhamento pelo médico.

Dymista® cloridrato de azelastina e propionato de fluticasona

Contraindicações: alergia ao cloridrato de azelastina, propionato de fluticasona ou a qualquer dos componentes do medicamento. Dymista® é contraindicado para menores de 6 anos. Interações: deve-se ter cautela ao administrar propionato de fluticasona concomitantemente com inibidores muito potentes do citocromo P450 3A4 (inibidores de protease, por exemplo, ritonavir).

Indicações: alívio dos sintomas da rinite alérgica sazonal (febre do feno) moderada e grave; rinite alérgica crônica (resfriado alérgico crônico); alívio de sintomas alérgicos, como: corrimento nasal, coriza, espirros, coceira nasal ou nariz entupido, lacrimejamento e olhos vermelhos. Contraindicações: alergia ao cloridrato de azelastina, propionato de fluticasona ou a qualquer dos componentes do medicamento. Dymista® é contraindicado para menores de 6 anos. Precauções e advertências: deve-se consultar o médico ou farmacêutico antes de se utilizar Dymista® em caso de cirurgia ou de infecção recente de nariz, em casos de tuberculose ou outra infecção não medicada, se houve mudanças na visão ou no histórico de aumento de pressão ocular, glaucoma e/ou catarata, e/ou doenças raras como a coriorretinopatia cerosa central; em caso de hepatopatia grave ou problemas de restrição de glândulas suprarrenais. Podem ocorrer efeitos sistêmicos de corticosteroides nasais, particularmente se prescritos em altas doses e por períodos prolongados. Tais efeitos são muito menos prováveis que com os corticoides orais, podem variar em cada paciente e entre diferentes preparações com corticoides. Os potenciais efeitos sistêmicos podem incluir: síndrome de Cushing, manifestações Cushingoides, supressão adrenal, retardo do crescimento em crianças e adolescentes, catarata, glaucoma e, mais raramente, uma série de efeitos psicológicos ou comportamentais, incluindo hiperatividade psicomotora, distúrbios do sono, ansiedade, depressão ou agressividade (particularmente em crianças). Dymista® contém cloreto de benzalcônio, um irritante que pode causar reações cutâneas e mucosas. O contato do medicamento com os olhos deve ser evitado. Interações: deve-se ter cautela ao administrar propionato de fluticasona concomitantemente com inibidores muito potentes do citocromo P450 3A4 (inibidores de protease, por exemplo, ritonavir). O uso concomitante de fluticasona intranasal e ritonavir pode levar ao aumento da concentração sistêmica da fluticasona, resultando em redução acentuada de concentrações séricas de cortisol. Um estudo de interação medicamentosa realizado com indivíduos saudáveis demonstrou que ritonavir pode aumentar significantemente a concentração de propionato de fluticasona no plasma, resultando em uma marcante redução das concentrações séricas de cortisol. Durante o uso pós-comercialização, houve relatos de interações medicamentosas significantes em pacientes usando propionato de fluticasona intranasal ou inalado e ritonavir, resultando em efeitos sistêmicos de corticosteroides. A combinação deve ser evitada, a menos que o benefício ultrapasse o risco aumentado dos efeitos colaterais dos glicocorticoides sistêmicos. Tratamento concomitante com outros inibidores da CYP 3A4, incluindo produtos que contêm cobicistato, também pode aumentar o risco de efeitos colaterais sistêmicos. A combinação deve ser evitada, a não ser que o benefício supere o risco de efeito colateral sistêmico de corticosteroide e, neste caso, os pacientes devem ser monitorados quanto aos efeitos colaterais sistêmicos por corticosteroides. Estudos demonstraram que outros inibidores do citocromo P450 3A4 produzem aumento insignificante (eritromicina) ou pequeno (cetoconazol) da exposição sistêmica ao propionato de fluticasona, sem reduções significativas nas concentrações séricas de cortisol. Gestação/Lactação: Categoria de risco na gravidez: C. Dymista® não deve ser utilizado por grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. Não existem dados, ou apenas dados limitados, quanto ao uso de cloridrato de azelastina e propionato de fluticasona em grávidas, portanto, Dymista® deve ser usado durante a gravidez apenas se o benefício potencial superar o risco potencial ao feto. Não se sabe se o cloridrato de azelastina e seus metabólitos, ou o propionato de fluticasona e seus metabólitos, administrados por via nasal, são excretados no leite humano. Como muitos medicamentos são excretados no leite materno humano, deve-se ter cuidado ao administrar Dymista® para lactantes. Efeitos sobre a capacidade de dirigir e operar máquinas: Efeitos como fadiga, cansaço, exaustão, tonturas ou fraqueza podem ser causados pela própria doença tratada, mas também podem ocorrer com o uso de Dymista®, portanto recomenda-se evitar essas situações, pois a capacidade de conduzir e utilizar máquinas pode ser prejudicada. O consumo de álcool pode aumentar estes efeitos, bem como medicamentos depressores do sistema nervoso central. Idosos: não há necessidade de ajuste de dose para idosos. Reações adversas: as reações mais comuns com o uso de Dymista® foram: sangramento nasal, dor de cabeça, disgeusia, odor desagradável. Reações incomuns incluem: desconforto nasal, espirros, ressecamento do nariz e garganta, tosse e irritação da garganta. Reação rara inclui: boca seca. Reações muito raras incluem: hipersensibilidade, angioedema, broncoespasmos, tonturas, sonolência e sintomas de aumento da pressão intraocular, catarata, perfurações do septo nasal, erosão da mucosa, náuseas, exantemas, prurido e urticária, fadiga e fraqueza. Reações com frequência desconhecida incluem: visão borrada, úlceras nasais. Posologia: a dose recomendada para adultos e crianças acima de 6 anos é de um jato em cada narina duas vezes ao dia. A duração do tratamento deve corresponder ao período em que os sintomas da rinite alérgica estiverem presentes. Via de administração: nasal. Venda sob prescrição médica. Registro MS: 1.8830.0058. Mylan Laboratórios Ltda. SAC 0800-020 0817. Material destinado aos profissionais de saúde habilitados a prescrever ou dispensar medicamentos. Para informações mais detalhadas recomenda-se a leitura da bula na íntegra.

 

A PERSISTIREM OS SINTOMAS O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO.

 

www.mylan.com.br – SAC: 0800 020 0817 sac@mylan.com .

 

Referências

1 – Solé D.et al. Prevalence of rhinitis among Brazilian schoolchildren: ISAAC phase 3 results Rhinology, 45, 122-128, 2007

2 – Pitman et al. EAACI 2012; AR: allergic rhinitis

3 – Bula Dymista para profissionais da saúde

4 – Meltzer et al, Int Arch Allergy Clin Immunol 2013

5 – Bousquet J et al., JACI in Pract 2018.

6 – Klimek L.et al. Effectiveness of MP29-02 for the treatment of allergic rhinitis in real-life: Results from a noninterventional study. Allergy and Asthma Proceedings – January–February 2015, Vol. 36, No. 1

7 –  Valovirta et al. Curr Opin Allergy Clin Immunol 2008