Autocuidado e Automedicação: entenda a diferença no balcão da farmácia

Friendly female pharmacist hands over a plastic sachet with medicine
Para um atendimento adequado, a função do balconista é fundamental. Lembrando que no dia 30 de outubro é comemorado o dia desse profissional

Publicado em 17/10/2016

Tomar decisões sobre a própria saúde é um direito do cidadão assegurado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e inclui o uso consciente de medicamentos. Tomar remédio por conta própria, porém, deve ser uma prática responsável pautada em orientação e educação, para que o indivíduo conheça o próprio organismo e faça escolhas de forma eficaz e segura. Para isso, é preciso entender que nem todos os medicamentos disponíveis na farmácia podem ser tomados sem prescrição médica e da mesma maneira.

 

Medicamentos com tarja preta e vermelha, além de alguns genéricos e similares, necessitam de receita médica para serem comercializados e ingeridos.

Se usados sem a indicação correta de um médico quanto à aplicação e posologia, podem expor o paciente a efeitos adversos, que podem mascarar uma doença ou até mesmo agravá-la, além de causar intoxicação, que pode levar até à morte.

A automedicação diz respeito justamente ao ato de tomar medicamentos que exigem prescrição, ou seja, tarjados, de forma indiscriminada, errada e perigosa.

Já o termo autocuidado está diretamente ligado a um tratamento multidisciplinar adotado para manter a saúde e prevenir doenças, e envolve o uso consciente dos medicamentos isentos de prescrição, os MIPs, aqueles que não precisam de receita para serem comprados – conhecidos mundialmente como OTCs. Esses medicamentos são parte essencial da saúde, porque permitem que os indivíduos possam fazer uso de tratamentos com segurança, qualidade e eficácia comprovadas, para tratar sintomas e males menores já diagnosticados ou conhecidos, como dores de cabeça, resfriados e má digestão, ou como ferramenta essencial de prevenção, como é o caso de vitaminas e antioxidantes. Ainda assim, são, muitas vezes e erroneamente, relacionados ao uso indiscriminado e à automedicação.

“O termo automedicação é utilizado no Brasil de uma forma diferente do resto do mundo. Aqui o termo é confundido com a autoprescrição, que é a prática incorreta de comprar e utilizar remédios tarjados sem a receita/prescrição de um médico. Por isso, definimos a utilização responsável dos MIPs como sendo uma prática de autocuidado, que está alinhada com a classificação da OMS”, explica Marli Sineci, vice-presidente executiva da ABIMIP (Associação Brasileira da Indústria de Medicamentos Isentos de Prescrição).

Para ser considerado MIP, o medicamento deve ter um alto perfil de eficácia e segurança, com baixo potencial de interações (medicamentosa e alimentar), período curto de utilização, facilidade de uso pelo paciente e baixo potencial de toxicidade e risco (mau uso/abuso/intoxicação). Por esses motivos, não existem registros de uso de MIPs por impulso. O consumidor os usa somente quando apresenta algum sintoma ou problema. Para que seu uso seja seguro e consciente, sempre que o consumidor optar por usar medicamentos isentos de prescrição, deve seguir as orientações da bula e rotulagem, e ter em mente que, se os sintomas persistirem, a suspensão do medicamento deve ser imediata e um médico deve ser procurado.

A informação é o primeiro passo para estimular cada vez mais a população a pensar sobre seu estilo de vida, a assumir hábitos saudáveis e a tomar decisões conscientes sobre sua saúde. Para entender melhor a diferença entre autocuidado e automedicação, é preciso saber a classificação que existe entre os medicamentos:

Medicamentos tarja vermelha: esses medicamentos necessitam de receita médica para serem comercializados, já que se destinam a quadros clínicos que exigem maior cuidado e controle. Alguns deles exigem, além da apresentação da receita, que ela fique retida pelo farmacêutico. Estes são conhecidos como remédios controlados e psicotrópicos, que podem causar dependência e trazer muitos efeitos colaterais e contraindicações.

Medicamentos tarja preta: também necessitam de prescrição médica para serem comercializados e ingeridos. A diferença deles para os de tarja vermelha é que necessitam de um maior controle, já que podem apresentar mais efeitos colaterais e reações adversas, e por possuírem ação sedativa ou com impacto no sistema nervoso central, podem causar dependência, também sendo do grupo dos psicotrópicos. A sua venda é condicionada à apresentação de receita especial na cor azul.

Medicamentos sem tarja: chamados também de medicamentos isentos de prescrição (MIPs), podem ser tomados e adquiridos sem prescrição médica. Destinam-se a situações corriqueiras para tratar sintomas menores e conhecidos. Em geral, não possuem efeitos adversos importantes e/ou significativos. Caso os sintomas persistam, o uso deve ser interrompido e o médico deve ser procurado.

Medicamentos genéricos: geralmente designados com a tarja amarela e a letra “G”, esses medicamentos apresentam o mesmo princípio ativo que um medicamento de tarja vermelha ou preta, ou de um sem prescrição. Como esse tipo de medicamento não tem marca, o consumidor tem acesso apenas ao princípio ativo do medicamento e deve apresentar a receita médica, quando houver necessidade. Os genéricos geralmente são produzidos após a expiração ou renúncia da proteção da patente ou de outros direitos de exclusividade.

Medicamentos similares: os medicamentos similares são identificados pela marca ou nome comercial e possuem a mesma molécula (princípio ativo), na mesma forma farmacêutica e via de administração dos medicamentos tarjados. A diferença entre os remédios similares e os outros está relacionada a alguns aspectos, como prazo de validade do medicamento, embalagem, rotulagem, tamanho e forma do produto.

Com informações do ABCFarma http://abcfarma.org.br/noticias/automedicacao-e-autocuidado-entenda-a-diferenca-no-balcao-da-farmacia.html



12 Comentários

  • Hi everyone, it’s my first visit at this web site, andd piece of writing is truly fruitful in support
    of me, keep up posting these types of articles or reviews.

  • you are truly a good webmaster. The websie loading velocity is incredible.
    It seems thaat you are doing any unique trick. Also, The contents are masterwork.
    you havge done a great process on this matter!

  • Nice post. I was checking continuously this blog and I am impressed!
    Extremely useful info specifically thhe ast part 🙂 I care for such information a lot.

    I was looking for this certain information for a very
    long time. Thank you and good luck.

  • What’s up to all, as I am truly eager of reading this weblog’s
    post to be updated daily. It includes good stuff.

  • Hello very cool blog!! Man .. Beautiful .. Wonderful ..
    I will bookmark your site andd ake the feeds additionally?
    I’m happy to search out a lot of useful info right here within the publish, we need work out extra techniques onn this regard, thanks forr sharing.
    . . . . .

  • Good post. I am facing some oof these issues as well..

  • Hi there! Do you know if tey make any plugijs to help with
    SEO? I’m tryig to get my blog to rank for some targeted keywords but I’m not seeing very good gains.
    If you know of any please share. Cheers!

  • Hi there! This post could not be witten much
    better! Reading through this article reminds me off mmy previous roommate!

    He always kep talking about this. I am going to forward this information to him.

    Fairly certain he’s goiing to have a very good read. I appreciate
    you for sharing!

  • hey thnere and thank you forr your information – I’ve certainly picked upp anything new from rioght here.
    I did however expertise some technical points using tnis website, as I experienced too reload the website a lot
    oof times previous to I could get it too lowd properly. I hhad been wondering if your hosting iis OK?

    Not that I’mcomplaining, but slow loading instances
    times will very frequently ffect your placement in google and could damage
    your high-quality score if advertising and marketing with Adwords.
    Anyway I amm adding this RSS to my e-mail and can llook out for much
    more of your respective excxiting content. Ensure tht you update this again soon.

  • I was suggested this blog via my cousin. I’m no longer positive whether or not this
    put up is written by him as no oone else know such certain about my problem.
    You are amazing! Thanks!

  • There iss definately a loot to findd out about this issue.
    I love alll of the points you have made.

  • Hi there, I log on too your new stufff lie every
    week. Yoour writing style is witty, keep doing what you’re
    doing!

Deixe uma resposta